ANTROPOLOGIA DO ESCRITOR

NOVOS DESAFIOS PARA OS SINDICATOS NA ATUALIDADE
                                                         Por: Hedi Wagner Barbosa - Bacharel em Jornalismo

Os trabalhadores da atualidade estão vivendo em um contexto de transição do trabalho regulamentado e duradouro para formas de negação do trabalho-emprego, visto isso uma escassez e precarização. Essa situação é reforçada em múltiplas estratégias que vem individualizando os trabalhadores.
Maqueiado tornando-se flexíveis, "clandestinos", deslocando de estruturas sindicais de defesa, com reduzidos direitos sociais e políticos. 




OS SINDICATOS - "Eram"... (no futuro pretérito imperfeito) mas, ainda continuam sendo... Organizações ou entidades criadas para organizar os trabalhadores, encaminham suas reivindicações e representam seus interesses frente aos empregadores, decorrentes das políticas neoliberais, mas, interromperam o processo de conquistas de direitos e de ampliações da cidadania no Brasil. Com isso hoje os sindicatos enfrentam desafios para continuar a garantir os direitos que já eram alcançados pelos trabalhadores. 




EDUCAR OS PENSAMENTOS E CULTURALIDADE DOS NOSSOS ATOS 
                                             Por: Hedi Wagner Barbosa - Jornalista, Radialista, Locutor Anunciante DRT/MG 26.172

                                           "Toda expressão mental resulta numa formação já do outro lado..."



Mercado antigo de Salinas Norte de Minas Gerais. 
Entenda que é preciso evitar visões distorcidas, estudando um pouco sobre a Antropologia em uma das citações de Kipling, Joseph Kipling um escritor britânico [1865-1936], em uma de suas análises; Aquele que é diferente de nós está fundada no chamado RELATIVISMO CULTURAL. 
Relativizar culturalmente significa que ao falarmos sobre os outros povos, grupos ou temas, precisamos primeiro nos indagar. 
Como concebemos a sociedade a sociedade da qual fazemos parte? 
Temos como definir outros povos e culturas como primitivos ou arcaicos, civilizados ou não?
Até hoje entendo que não existe meios para tal definições... Será que alguns pontos classificações desses tipos seriam adequadas ou tendenciosas?

Mercado de Salinas, MG aos finais de semanas alem do povo
sair para fazerem as compras, se encontram para conversar.
(coisa do interior)
Precisamos refletirmos e entendermos que outras sociedades ou grupos sociais têm concepções e valores diferentes dos nossos, como acerca da vida e do mundo, como exemplo; Nem melhores e tão pouco piores. Essa vivência em processo também ensina-nos que muitos comportamentos e visões de mundo que nos cercam pareçam "naturais ou biológicas", na verdade isso são produtos da cultura que já variam em diferentes grupos da sociedade. 

Novas instalações do mercado municipal de Salinas.
Foto Extraída da internet 
Exemplo disso na cidade de Salinas e outras cidades do Brasil o reconhecimento da existência "do outro", culturas de diferentes grupos, povos e religiões da sociedade a alteridade nos mercados municipais, implicam as experiências do contato com outras culturas, a aceitação das diferenças. Essas podem ser formas de desvendar vários aspectos da nossa cultura que antes passavam despercebidas. 






É O BRASIL.
                                                                                     
                                                                                                        Por Hedi Wagner Barbosa – Radialista Locutor Publicitário.



Hoje venho aqui expor uma indignação acredito coletiva, da vivência que estamos passando. O desacreditar político de forma nacional. Já um bom tempo que nas entrelinhas dos noticiários que estamos acompanhando, a palavra mais destacada é CORRUPÇÃO.
Uma verdadeira putrefação nacional, estaduais e municipais.
A corrupção ela não é só política. Já notou quando vamos como leões para cima dos maus “representantes do povo”? Agora já notou quando agimos com a corrupção passiva, somos uma “ovelhinha” conosco mesmo.
Uma vez disse um político:
“Redes sociais não me intimidam. ”
No âmbito das informações, para entender o conceito que esta frase entrou, foi porque saiu de forma de tentar causar pavor; fazer com que alguém sinta receio; sentir-se ...
Não.
Hoje uma das ferramentas mais importantes que nós cidadãos temos em mãos para tentar sermos ouvidos, pelos políticos e autoridades como; Ministério Público e demais membros da esfera dos poderes são as redes sociais. Não para irmos direto afrontar, mas para mostrar ou dar a publicidade a forma que estamos vivendo, como; um hospital sem médicos, sem equipamentos úteis para atender a população, falta de segurança pública, falta de saneamento básico, falta de emprego. Porque ISSO SÃO DIREITOS CONSTITUÍDOS somos a nação que mais paga impostos, e temos poucos “quase zero” de recursos voltados para a população.
  Vemos na televisão, nos noticiários, dinheiro indo pelo ralo ou para as mãos dos patrocinadores de campanha.
Que país é esse, que um exame dos mais simples que tem na área de saúde, não estão marcando e não sabem em que época irão marca e que pagamos tributos para termos uma estrada de péssima qualidade, educação bastante precária por falta de investimento.

Sentiu qual é esse país com a carga tributária de 34% da renda bruta de seus habitantes, ficando na tabela dos países com a maior carga tributária do mundo e que todo esse dinheiro vai pra pagar os políticos, pra manter toda a corrupção existente e não vai realmente para a população, onde a muita criminalidade, mais se não melhora em todos esses pontos acima, não irá diminuir a criminalidade, sim esse país é o Brasil. 




MUDANÇAS SOCIAIS DE UMA SOCIEDADE
                                                                                   Hedi Wagner Barbosa Jornalista



Quase todos os dias ouvimos frases do tempo dos “zagais” ... “Antigamente era diferente, naquele tempo era melhor, a gente construía nossos próprios brinquedos, os vizinhos conversavam mais”... E tantos outros ditos, que fica impossível de citá-los neste texto.
E de fato, vejo que vivemos em um tempo diferente, que está se modificando em uma velocidade que se torna inimaginável. E além dessas mudanças aceleradas que estamos sofrendo nessas últimas décadas... A sociedade depara com vários desafios e problemas de grandes dimensões. Muitos estes criados pelos próprios seres humanos em convivência.
Visualizo que algumas “mudanças” permanecem. E uma delas é o próprio fato de a sociedade continuarem existindo, de as pessoas criarem laços entre elas, tecerem planos e os executarem. Tenho como exemplo; como que cada vez é mais comum as pessoas estarem utilizando meios interativos sociais, sites, blogs, instagram, facebook, wtahsApps e tantos outras tecnologias cibernéticas.... Para manter contatos com os amigos, familiares, namorados, namoradas, esposas, esposo... Nossa, uma infinidade de pessoas.
O nosso comportamento e estilo de vida fazem parte da individualidade, que foi construída nos processos de interação e socialização pelos quais passamos. E essa convivência na família, na escola, no trabalho e grupos sociais, políticos e culturais mais amplos.
Assim, somos produtores da sociedade e também somos produzidos por ela; nossas atitudes modelam um mundo social e são por elas modeladas. Se investigarmos essas conexões entre o que a sociedade faz de nós e o que, nós fazemos de nós mesmos é justamente um dos trabalhos que os sociólogos trazem para o tempo contemporâneo. Isso foi estudado pelo sociólogo Anthony Giddens.

Temos que estudar nossa sociedade e entender nossa vida social humana. Precisamos nos desacomodarmos. Ter ideais para provocarmos nossas boas ações sociais. Nos questionarmos ao longo da vida, trará um tempo de conhecimento ou conhecimentos daquilo eu será essencial para uma verdadeira alegre e menos sofrida na sociedade humana. Precisamos sair do mundo particular e aprendermos às múltiplas dimensões da política, da economia, da cultura, e até mesmo dessa sociedade propriamente dita... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Pesquisar este blog